Design Thinking no Aprendizado de Idiomas

Muitas vezes, o aprendizado pode acontecer em uma sala de aula cheia de pessoas (ou em um escritório cheio de colegas), mas a verdade é que é pessoal – especialmente quando se trata de aprender um novo idioma. E, infelizmente, nem sempre tem sido fácil para os profissionais de RH e de Treinamento e Desenvolvimento (T&D) criar experiências únicas e personalizáveis para os funcionários. Mas agora, graças aos avanços na tecnologia, o design thinking mudou a forma como aprendemos novas habilidades no trabalho – agora temos a capacidade de projetar aplicativos e programas centrados no ser humano especificamente para alunos individuais.

Definindo o Design Thinking

Então, o que exatamente é o design thinking? O psicólogo Herbert A. Simon introduziu a ideia de “mudar as situações existentes para as preferidas” em seu artigo de 1969, Sciences of the Artificial. Com isso, ele introduziu uma abordagem de design mais centrada no ser humano — um conceito qualitativo abrangente que pode ser aplicado a diversos campos, da medicina à educação — mas evoluiu ainda mais desde que a tecnologia começou a desempenhar um papel tão significativo nossas vidas. Em uma era de transformação digital, quando é muito fácil ignorar a importância dos fatores humanos em meio a rápidas mudanças tecnológica, o design thinking oferece uma maneira de compreender, avaliar e testar as experiências do usuário de maneira verdadeiramente empática.

Leia nosso white paper para saber mais sobre como o design thinking está mudando o aprendizado e o desenvolvimento.

Aplicando Design Thinking na Aprendizagem de Idiomas

O design thinking é dividido em cinco etapas principais—empatia, definição, ideação, protótipo e teste – cada uma das quais pode (e deve!) ser usada pelo RH e pelas equipes de aprendizado e desenvolvimento para melhorar a educação no local de trabalho e o treinamento em idiomas.

Com isso em mente, vamos dar uma olhada em como o design thinking é usado no Speexx.

1. Empatia: Entendendo os objetivos dos alunos de línguas
O primeiro passo no desenvolvimento de currículos de idiomas é entender os objetivos dos alunos. Um funcionário deseja revisar as conjugações verbais antes de uma conferência telefônica? Um funcionário está interessado em falar um novo idioma fluentemente? Os funcionários precisam aprender conceitos específicos do setor em um determinado idioma? Conhecer as necessidades e motivações de cada funcionário permitirá que você crie um programa de aprendizado que os ajude a atingir metas pessoais com eficiência.

2. Definir: Identificando lacunas e problemas de conhecimento
Depois de entender claramente as necessidades e desejos de seus alunos, é hora de identificar as áreas problemáticas. Quais são os passos que eles precisam dar para alcançar seus objetivos e o que pode estar impedindo-os de obter sucesso? Um falante nativo de japonês, por exemplo, pode achar mais difícil aprender espanhol do que um falante nativo de italiano devido a um menor grau de similaridade lexical. Os problemas devem ser descritos em termos centrados no ser humano, de modo que tanto os alunos quanto os profissionais de T&D possam entender e concordar com determinados pontos problemáticos. Durante esta fase, você também deve determinar o sucesso de cada indivíduo. Isso ajudará quando você começar a criar um novo caminho de aprendizado, o que nos leva ao terceiro passo no processo de pensamento de design.

3. Ideação: Soluções de brainstorming e próximas etapas
Agora que você sabe qual deve ser o resultado final, é hora de descobrir como exatamente os alunos podem chegar lá. Qual deve ser o conteúdo da aprendizagem e como deve ser entregue? É aqui que recursos como IA (Inteligência Artificial), aprendizado de máquina e treinadores em salas de aula virtuais podem ser indispensáveis, pois podem sugerir técnicas e táticas personalizadas que atendam às necessidades de alunos específicos. Semelhante ao Netflix, que analisa a atividade do usuário para sugerir filmes e programas de TV, a IA pode ser usada em programas de aprendizado de idiomas para estudar comportamentos e recomendar conteúdos / métodos relevantes que possam ajudar os alunos a alcançar as metas identificadas na primeira fase. É claro que isso é uma adição às ideias das equipes de RH e T&D – quanto mais soluções você puder debater, melhor.

4. Protótipo: Projetando um ambiente de aprendizado de idiomas
Durante a fase de prototipagem, você tem a oportunidade de colocar suas soluções em prática. Se você acha que os alunos preferem o conteúdo de vídeo sobre o material de leitura, grave um breve tutorial ou palestra. Acha que eles preferem aprender em grupos? Configure uma sala de aula virtual para aumentar a colaboração. O objetivo é avaliar se esses novos métodos de ensino e entrega de conteúdo estão alcançando os resultados desejados. A prototipagem fornecerá os insights necessários para iterar e aprimorar uma solução de aprendizado proposta antes de testes mais estruturados.’

5. Teste: Refinando a melhor experiência de aprendizado
A etapa final na criação de um programa de aprendizado de idiomas está sendo testada. Como no protótipo, esse processo pode ser repetido várias vezes para melhorar a experiência do usuário. Uma vez que os profissionais de RH e T&D tenham uma clara compreensão do perfil de um aluno da língua (seus comportamentos e preferências), você pode usar esses dados para criar novas soluções e criar novos protótipos novamente – é um ciclo contínuo destinado a ajudar designers e desenvolvedores a criar e soluções eficazes para os alunos.

the future of learning anca iordache

Design Thinking Conduz Melhor o Trabalho

Com o design thinking no aprendizado de idiomas, as empresas podem oferecer aos funcionários soluções adaptáveis e personalizadas de aprendizado de idiomas no local de trabalho. E no mercado atual, onde as habilidades linguísticas podem oferecer uma vantagem competitiva substancial (por exemplo, o gigante do comércio eletrônico japonês, Rakuten, exigiu que sua força de trabalho global fosse proficiente em inglês dentro de dois anos ou enfrentaria a despromoção), os profissionais de RH e T&D podem aproveitar essa técnica para impulsionar o sucesso individual e corporativo. Uma organização só pode ser bem-sucedida se seus funcionários forem bem-sucedidos e os programas de aprendizado e desenvolvimento tiverem um papel enorme a desempenhar nessa tarefa. Aplicar o design thinking a todos os treinamentos é fundamental para garantir que cada jogador da equipe esteja equipado com o conhecimento de que eles (e a empresa) precisam avançar.

Quer ver como o design thinking na aprendizagem de línguas funciona? Experimente Speexx hoje.

About the Author:

Jörg is Co-Founder and CEO of Speexx, the world’s leading online language learning and business communication skills training service. He writes and occasionally speaks about technology and its impact on learning and digital transformation. Follow Jörg on LinkedIn.